ALBERTO ARAÚJO - MEU RECANTO
Contos, versos e sentimentos à flor da pele.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


A NOITE ACESA DESCEU








A noite acesa desceu, desceu...
Nas asas de um colibri,
Partiu-se em gotas de vinho antigo.
Farejou-me, quis diluí-me
Pensando que eu era um homem inútil,
Que não sabia contar as estrelas!
Boba, bobalhona...
Passei a vida inteira a ouvir os
Suspiros das madrugadas
A ver o sorriso do sol,
Colher flores na primavera,
Abrir caminho para os pardais,
Tremia de felicidades quando
Olhava as crianças indo à escola,
Nunca destilei ódio e tampouco
Comprei cigarros em bocas patéticas.
Sempre sobrevivi fabricando meus poemas
Com os quais hei de encantar os homens
E receber elogios do senhor supremo: DEUS.

ALBERTO ARAÚJO
Enviado por ALBERTO ARAÚJO em 21/01/2009
Alterado em 21/01/2009
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários