ALBERTO ARAÚJO - MEU RECANTO
Contos, versos e sentimentos à flor da pele.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos



O EU SUBMETIDO



Numa tarde fria...
Sem sobejo - E voz de pai
– somente o ósculo e desejo
Que pela rua se vai...

O cão ao sair de casa
Farejou a coluna que ergue
A arquitetura – o santo sudário
O violino.

Deuses seminus
E a túnica prende a alma,
Labaredas trespassadas trespassam
E ao avesso do adeus, arpões de um
Suntuoso destino.


Consigo uma caixa
Contém os versos, a fala
E os retalhos de um coração peregrino.

Na medida exata
Que o corpo desce do avião
- um punhado de areia - atropela
O poeta nordestino.

Aquilo tudo
Era imensurávelmente novo –
E do novo nasce uma estrela
E na cortina preta do aeroporto
A Deusa à espreita – quanto mais
Seus olhos ficavam admirados,
Mais era o descabido desatino.

O fulgor do relógio,
a volúpia queimando o desejo
e o taxi foi se abrindo...

edifícios altos,
um rio enorme quase sumindo
e sobre este rio uma fotográfica ponte
escancaradamente sorrindo.

Alegria contagiante,
Um som se consumindo
- foi assim que a boca vermelha
Disse: Tire as calças,
E os sapatos apertados,
Meu grande amor
Seja bem vindo.



ALBERTO ARAÚJO
Enviado por ALBERTO ARAÚJO em 09/09/2010
Alterado em 24/01/2012
Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários