ALBERTO ARAÚJO - MEU RECANTO
Contos, versos e sentimentos à flor da pele.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


A PEDRA QUE O RIO ABRAÇA
 
 
Ao Pão de Açúcar
 
 
Surge uma pedra na natureza
e o Rio a abraça inteiramente...
Sem incêndio – obstáculos,
dissabor e aspereza.
 
 
Na pedra,
existem vidas...
E todas se entrelaçam... Que beleza!
 
 
A pedra deseja ser artista,
ser poeta, ser realeza!
É que na paisagem geográfica da cidade
a pedra anela-se com delicadeza!
 
A pedra acoplou
diversos morros por inteiro.
E conectados estão:
Morro da Urca, Babilônia
e o Cristo Redentor...
E se compuseram e viraram
os maiores cartões-postais
do Rio de Janeiro!
 

 
 
 
O Pão de Açúcar é um complexo de morros localizado no bairro da Urca, na cidade do Rio de Janeiro, no Brasil. É composto pelo Morro do Pão de Açúcar (que dá nome ao complexo), pelo Morro da Urca e pelo Morro da Babilônia. Junto com a estátua do Cristo Redentor, é o maior cartão-postal da cidade do Rio de Janeiro e um dos mais famosos do Brasil. Pelas características únicas, margeado pelas águas da baía de Guanabara, constitui-se em uma referência turística internacional para a cidade.

Possui, como atração complementar, o passeio de teleférico, interligando a Praia Vermelha, o Morro da Urca e o Morro do Pão de Açúcar. Conhecido como Bondinho do Pão de Açúcar, o teleférico foi idealizado em 1908 e inaugurado em 1912, tornando-se o primeiro teleférico instalado no país e o terceiro do mundo. Nesses mais de cem anos de existência, já transportou mais de quarenta milhões de pessoas. Na última estação do bondinho, tem-se a vista panorâmica das cidades do Rio de Janeiro e de Niterói.

 
ALBERTO ARAÚJO
Enviado por ALBERTO ARAÚJO em 12/11/2010
Alterado em 12/08/2018
Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários