ALBERTO ARAÚJO - MEU RECANTO
Contos, versos e sentimentos à flor da pele.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


SIM, FOI UM ANJO





Que ao despertar do passarinho segurou sua mão, e o levou ao um alfavilesco e iluminado ninho. E no percurso, raridades de árvores. Tempo, já era tempo de consertar a sua asa quebrada, incidência causada numa noite antagonista. Articuladas causas que não o deixavam se adequar ao cotidiano. Além da cada vez que o passarinho se adentrava numa paisagem, num espaço qualquer, um arcabouço impedia de cantar o seu canto.
- E agora digo: canta passarinho de novo, o mundo quer ouvir o teu cantar.
Impulsos perdidos, linhas sem orientações, riscos cujos efeitos acabavam por vez a sua ornamentação. E no descompasso das folhas, na definição da aragem, uma singela travessia. Pronto, e de armas em punho, o doutor que sara o mundo, consertou a asa quebrado do passarinho. Que alívio, que afirmação exata, sombras e trilhas agora irão compor-se no raiar de cada dia. Uma trajetória que antes de tudo será por vez o passaporte para o futuro. O passarinho agora está inteiro, e nessa inteiração, poderá voar e fazer brotar no céu a poesia, freqüente e esgarçada, o seu curso e percurso de cada dia.
- olhas que beleza; ainda pouco vi outro passarinho, aquele que te ama tanto! Pousar em tua janela, afirmando que não sairá tão cedo.

ALBERTO ARAÚJO
Enviado por ALBERTO ARAÚJO em 05/02/2011
Alterado em 05/02/2011
Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários