ALBERTO ARAÚJO - MEU RECANTO
Contos, versos e sentimentos à flor da pele.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


RIO PARNAIBA PEDE AJUDA...
(Velho monge)


Nasço distante,
Entre rochedos e matagais.
Tenho pressa, tenho que correr...
Preciso dar de comer a quem tem fome!
Preciso dar de beber a quem tem sede!
Sei a hora de chegar!
Sou moço bom, em mim tu podes navegar.
Tenho nome,
Identidade,
Tenho até apelido, na intimidade.
Tantas e tantas vezes eu choro
Quando em mim tu te afogas,
Pois quisera nesse momento
Ter cabelo de Sansão
Para te segurar.
De mim terás comida,
Água boa,
Podem até se banhar,
Não podes dormir em meu peito
Pois é muito profundo o meu leito.
No entanto, sou tão indefeso!
Os covardes,
Depositam em mim suas imundícies,
Dejetos... Todo tipo de lixo!
Por isso estou eu doente,
Tenho uma dor no peito...
Quero ainda ver o teu filho crescer,
O teu neto nascer
E compartilharem comigo um sorriso,
Um abraço forte e sincero.
Por favor me ajudem a viver!
Não quero morrer!...




ALBERT ARAUJO


"em homenagem ao Rio Parnaíba (velho monge), rio que banha toda nossa região, ao nordeste do Brasil-Piaui).

sugestão para faixas:

"Basta de poluição, eu tenho pulmão"
"Abaixo a poluição - salva-me"
"Salve o Velho Monge"
"Quero viver - ajude-me"
"O Velho Monge não pode morrer".

ALBERTO ARAÚJO
Enviado por ALBERTO ARAÚJO em 22/02/2007
Alterado em 18/02/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários