ALBERTO ARAÚJO - MEU RECANTO
Contos, versos e sentimentos à flor da pele.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


A PRISÃO



Na corda-bamba tu me colocas
e submete-me a uma cruel tortura,
o inseto na lâmpada me azucrina,
as feridas da pobreza me sensibilizam,
ordem no recinto fala o meritíssimo,
vejo o sol nascer quadrado,
minhas necessidades faço em um
canto sem privada, a comida é intragável,
uma zorra noturna, uma muralha sem
escalada,
um homem de botas à Luiz XV,
ouvido na parede pra ouvir o irmão
não de sangue, greves, badernas  e
confusões diárias,
um carrasco maníaco que fuma,
o que fazer não tem, comprar feito
é bem melhor, depois de tantas,
o silêncio massacrante,
mais um dia, sem ser o dia de voar.
ALBERTO ARAÚJO
Enviado por ALBERTO ARAÚJO em 03/03/2007
Alterado em 03/03/2007
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários