ALBERTO ARAÚJO - MEU RECANTO
Contos, versos e sentimentos à flor da pele.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


SONETO DA MORTE PATRIARCAL






Em nove de Dezembro acontecia, 
amargura que meu peito invadiu...
semblante alí, nas mais dura frieza,
O coração... Que de saudades partiu.

Não pude erguer,  taça de compaixão
Meu íntimo... esconde-o  descontente,
Minha lisura... era pequenino,
nem barba, nem bigode era inocente.

Hoje o teu vulto me apareceu:
Nenhum pranto, meus olhos emudece,
Só a dor da partida me extremeceu...

Só... já nenhum ombro me fortalece
Extrema angústia, me adoeceu.
Nem sorriso na face me aparece...






à memória de meu pai falecido em 1981
ALBERTO ARAÚJO
Enviado por ALBERTO ARAÚJO em 14/03/2007
Alterado em 02/05/2007
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários