ALBERTO ARAÚJO - MEU RECANTO
Contos, versos e sentimentos à flor da pele.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


O APOGEU DOS CINQUENTA ANOS





É chegado pelo barco da vida,
os cinquentanos do bardo,
que sempre caminhou impetro a Poesia.
No início trançavam-lhes, as razões arquitetadas.

E depois, traçou sobre o chão caudaloso:
O amor,
a paz,
a seta dilatada.

Embebeu os olhos no horizonte
e percorreu as estrelas laminadas.

Ao tempo, só que mais cedo,
teceu espaços iluminados.

Bordou,
Sol adejado,
pedra açucarada, pelo sangue,
como quem pinta tela panorâmica.
E logo, transformou em cálice, o coração.

Arrebatador,
prodigioso,
espetacular,
foi agitar-se:
alastrando poesias sem se consumir.

Vendo gota a gota de o amor florido singrar,
sobre o coração - combustível da alma.

Andou consigo grãos e cômodos apoteóticos,
que se entrelaçaram como fachos lunares.

Consentiu ver,
como mói o ouro na alquimia.

E seguiu... andando pelo mundo,
Entretanto sabia que, já não era mais
o florescente friso de sua meninice.

Tingiu o coração
por um abundante manancial
de poemas líricos...

E a Poesia,
tão venturosa,
forte,
acostumou a ser
o seu fator visceral.

E agora,
a Poesia é água fecunda, flâmula aveludada,
a música e a corola do áureo contentamento.




Edição de imagens:
Shirley Araújo

Texto: O apogeu dos cinquenta anos


ALBERTO ARAÚJO
Enviado por ALBERTO ARAÚJO em 10/02/2014
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários