ALBERTO ARAÚJO - MEU RECANTO
Contos, versos e sentimentos à flor da pele.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


MINHA ALDEIA





O carro de boi muge ao pé da serra.
Flores – bem – êxtase.
Rubra trilha na fixada fonte.

Os pássaros sondam o horizonte,
depois, de mentes sãs
e escovados os dentes,
ajudam a minha mãe a coser...
O outono ri de minhas calças Jeans...


Insetos em revoadas usurpam
a fração do dorso do dia, recheando
de sonhos os lábios brilhantes da garotada.

Abelhas, querem o bálsamo, querem beijo de mãe,
zumbem em torno do néctar.

Abre uma enxurrada de melodias.
Tão infinitos os gritos
dos peruinhos-do-campo.
O moinho mói a cana, Cotovia.

Ah, para a poesia.
O poeta acende a lâmpada!




Edição de imagens:
Shirley Araújo

Texto: Minha aldeia


 
ALBERTO ARAÚJO
Enviado por ALBERTO ARAÚJO em 07/03/2014
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários