ALBERTO ARAÚJO - MEU RECANTO
Contos, versos e sentimentos à flor da pele.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


TERNURA DOCE






Chegues já e apeteças-te
do meu virtuoso navio.

Fiques até à noite, quando o sonho de amor,
enroscar-se nas dobras do lençol.

No silêncio da madrugada,
costuras as margens do tempo,
para que o prazer da carícia não fuja
por entre os dedos.

.

Então, aqui segue um desejo elementar,
advindo do fundo da minha alma.
- Que ames os meus livros de poesias,
pois afinal, dentro deles
está a cor da minha manhã - calma e serena.

Comeces devagar,
saboreando as cores das sinfonias,
as mesmas, tão plácidas e azuis
e que nos remetem à fonte da ternura.


Nas mãos:
fazer de norte a sul,
uma viagem no paralelepípedo do claro dia – apenas.
Vale a pena – vale percorrer o dia feliz,
em seu poderoso cavalo à luz de mil holofotes.


Quando a manhã se lancear,
na transparência da alcova
em frações de fulgores
e um cheiro de rosas
abocanhar as janelas.
Como uma cotovia suave.
Algo em mim soletrará então,
o teu nome – indefinidamente.

:

Após acenderem os castiçais da lua
e os pássaros inventarem a tarde.
Amarrarei meu navio no teu jardim...

 

Edição de imagens:
Shirley Araújo

Texto: Ternura doce

ALBERTO ARAÚJO
Enviado por ALBERTO ARAÚJO em 27/03/2014
Alterado em 27/03/2014
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários