ALBERTO ARAÚJO - MEU RECANTO
Contos, versos e sentimentos à flor da pele.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


INFÂNCIA DO POETA






Dia de febre e piano,
na minha abscissa e algébrica
memória ancestral.

Chega a mim
esse dilúvio de ombros e braços,
provindo da ventania do tempo.

Uma fome de coisas passadas,
Um dia de lucidez e coros.
Vem em espécie de fio de labirintos.
Na ocasião noturna agora.
Bate a porta:
As brincadeiras puerícias,
os rinchos dos cavalos nos campos,
o corte da cana-de-açúcar,
o gostoso comer da manga no pé,
o cuscuz de arroz, o bolo de fubá
os gansos fazendo amor,
o lago, o milharal,
o banho nas águas do Rio Parnaíba – Velho Monge,
o comer e beber pão e vinho
em torno da mesa e família.

:

Dia de árvores e plumas,
na distante memória ancestral.

Chega a mim,
essa luz de pássaros e frutos.
Provindos da ventania do tempo...

 


Edição de imagens:
Shirley Araújo

Texto: Infância do poeta



 
ALBERTO ARAÚJO
Enviado por ALBERTO ARAÚJO em 28/03/2014
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários