ALBERTO ARAÚJO - MEU RECANTO
Contos, versos e sentimentos à flor da pele.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


ANINHA, SEIVA E POEMAS 



 
a Shirley





O dia claro:
Chega Aninha.
Em mim, a seiva dos seus poemas,
resplandecem como as asas azuis de fada.

Aquele azul-rosa da sua imortal inocência
é algo compassivo que clareia
as brumas e os verdes prados.

Na planura das estações febris:
A paisagem que embeleza
o seu inebriante corpo,
vira planta e raiz...


Depois do sol,
que ilumina as praias de Niterói,
chegam dosagens de contentamento,
na medula crepuscular do amor.


Aninha!
defendo seus segredos...
O meu paladar sorve
os vestígios de luas
e o gemido das suas Searas.

Ao longe.
A Baia da Guanabara é bela!

Aninha tem um mistério de mulher!
Diz: que é apaixonada por Neruda,
abro Neruda e leio, releio...
E decifro suas poesias de amor.

Em outra parte da sala,
no dorso delgado do abajur,
ouço o estalo da sua voz
de terra ardente e cálice de beijos.



Em mim, em tudo.
A sua plenitude de Deusa
estar presente.

Dia sonoro:
Ouço Aninha.
Em seus olhos emanam,
céus e grafias das constelações.

Escuto, 
seus sussurros de Gazela.

Ah! vasto mundo de Aninha,
dentro da luz, a sua tímida estrela.
Águas claras e buquê de flores
em meu leito ressurgido.

Amarei Aninha eternamente.
Uma predição no tremor
do mar da minha boca.


By © Alberto Araújo.
Niterói – RJ.








Edição de imagens:
Shirley Araújo

Texto: Aninha, seiva e poemas
(para melhor entendimento,
Aninha é o codinome de Shirley)


ALBERTO ARAÚJO
Enviado por ALBERTO ARAÚJO em 19/11/2014
Alterado em 27/11/2014
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários