ALBERTO ARAÚJO - MEU RECANTO
Contos, versos e sentimentos à flor da pele.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


MENINA DENGOSA





O sol abriu suas pálpebras transparentes...
O mar abriu suas folhas de risos energizante,
A lua despejou o seu inquebrantável brilho
sobre a noite...
E todas as portas do firmamento abriram-se
em leque para a tua passagem.
Ó, menina de dengo gostoso...
A tua imensa onda adentrou-se em minha
estação, que agora se encontra aberta em luz.
Pudera dar-te um beijo de infinito.
Eu um pobre poeta... Que a vida o entregou
sonhos indecifráveis,
Que obscureceu o meu canto feito festim.
E, diante de ti encontro tua boca fechada.
Mas meu amor floresce a cada instante aqui
nesta massacrante cadeira.
Pudera eu abraçar a tua janela, e comer
das migalhas de teu pão. Governar o teu
governo por um minuto apenas,
isso seria o bastante, posto que meu coração lança-te
A luz do meu outono, do meu ouro, e da minha
pedra de diamante.
E tu não percebes!...



De um amigo meu que é poeta pra uma amiga minha.
ALBERTO ARAÚJO
Enviado por ALBERTO ARAÚJO em 10/11/2007
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários